Fisioterapia Pélvica Pós-Parto

OP360º Mum & Baby

Fisioterapia Pélvica Pós-Parto

Após a gravidez e parto, são várias as alterações estruturais e físicas pelo qual o corpo da mulher passa. O Pavimento pélvico foi testado e desafiado durante toda a gravidez e no parto, podendo até ter sido lacerado ou lesionado no momento do parto (episiotomia e episiorrafia).

As alterações posturais acentuam-se no pós-parto. Os músculos abdominais sofrem o seu máximo de estiramento e afastamento (diástase) para que o bebé possa crescer e se desenvolver na barriga da mãe, e os músculos profundos abdominais sofrem alterações na sua função e na sua pré ativação ao esforço. Dependendo do tipo de parto, poderão existir cicatrizes como consequência de uma episiotomia ou cesariana.

Todos esses fatores são de extrema importância, não devem ser desvalorizados e devem ser avaliados. O não tratamento de uma condição e/ou disfunção, não só terá repercussões agora, como num futuro próximo e longínquo (anos).

Na mulher, a gravidez e o parto são uma das principais causas de disfunção do pavimento pélvico e, consequentemente, a principal causa de incontinência urnária e prolapsos (descida dos órgãos pélvicos), no futuro. As alterações posturais, a incompetência abdominal, cicatrizes não trabalhadas, a alteração da consciência corporal, não só contribuem para as disfunções do pavimento pélvico como para outros problemas a curto e longo prazo.

Por este motivo, é fundamental que realize uma avaliação pós-parto e que dê início à sua recuperação pós-parto.

O que posso esperar da minha consulta?

Na consulta, é realizada uma avaliação e tratamento por uma fisioterapeuta com formação específica na área que, em conjunto com cada mulher, é traçado um plano de tratamento tendo em conta a avaliação e as necessidades de cada pessoa.

Avaliação Pós-Parto

  • Diástase abdominal
  • Musculatura abdominal profunda
  • Cicatriz (episiorrafia, cesariana)
  • Músculos do Pavimento Pélvico
  • Avaliação postural

Vídeo: “Raquel Jacinto em 360º na Osteo Performance” – Dr.ª Raquel Jacinto