Low Pressure Fitness (Hipopressivos)

OP360º Performance Lab

Low Pressure Fitness (Hipopressivos)

Os exercícios Hipopressivos trabalham a capacidade de contração da musculatura abdomino-pelvica, permitindo uma otimização do gesto técnico e consequente melhoria do rendimento desportivo e prevenção de lesão. Esta abordagem é também fundamental na redução do risco de ocorrência de incontinência urinária em atletas.

Método de treino terapêutico e preventivo baseado na técnica hipopressiva abdominal, no alongamento miofascial, na reeducação postural e respiratória e na neurodinâmica. Também com um grande impacto ao nível da estética e performance desportiva. Caracterizado pela realização de um vácuo abdominal em apneia, associado a posturas especificas e com um enorme impacto ao nível da postura, do abdominal e do pavimento pélvico.

As técnicas hipopressivas aplicadas à prevenção e melhoria do rendimento desportivo, têm uma enorme relevância. Uma faixa abdominal- pélvica incompetente, inadequada gestão da pressão intra-abdominal e o trabalho da musculatura fásica em detrimento do trabalho da musculatura tónica, são alguns dos fatores que vão influenciar a performance desportiva e do gesto técnico, bem como, a frequência da incidência de lesões.

Objetivos do LPF:

– Tonificar a faixa abomino- pélvica

– Prevenir o aparecimento de hérnias (inguinais, abdominais e discais)

– Melhorar os volumes e capacidades respiratórias

– Melhorar a gestão das pressões intra-abdominais

– Regular fatores metabólicos e oxidativos

– Melhorar a vascularização

– Reduzir o risco de disfunções do pavimento pélvico, como a incontinência urinária de esforço (perda de urina durante o exercício físico)

Diz respeito a todos os profissionais implicados no desporto (treinadores, médicos, fisioterapeutas, atletas, etc.) o papel importante dos mesmos na prevenção e deteção dos sintomas de disfunções pélvicas e não assumir a disfunção como algo `normal´.

O papel preventivo é imprescindível e é o dever de todos estar alerta aos sintomas ou aos fatores de risco, que infelizmente são extremamente comuns. Será sempre a melhor opção, trabalhar na prevenção.